Celso Barbieri Correspondentes Internacionais

Barbieri Informa: Últimas notícias sobre esta pandemia vindas direto de Londres

Por Celso Barbieri.

As últimas 24 horas foram muito duras para o Reino Unido:

• Houve mais de 50 mil contaminações e quase 1.000 mortes.

• 75% do Reino Unido está no Nível 3 e 4, o nível mais severo nível de controle e restrições de movimento.

• A boa notícia é que a vacina Oxford/AstraZeneca foi finalmente aprovada. Esta aprovação saiu depois que, no dia 10 de dezembro os primeiros resultados revisados por pares, de testes humanos de fase 3 da vacina, demonstram razoável eficácia.

Nesta publicação, os pesquisadores da Universidade de Oxford e da AstraZeneca apresentam uma análise conjunta de ensaios de Fase 3 de uma vacina contra SARS-CoV-2 em dois regimes de dosagem diferentes, resultando em uma eficácia média de 70,4% a partir de uma análise conjunta do regime de duas doses. Nenhuma hospitalização ou doença grave foi observada nos grupos vacinados de três semanas após a primeira dose. Estes resultados de eficácia são baseados em dados coletados entre 11.636 voluntários em todo o Reino Unido e Brasil. Para terem uma idéia da seriedade deste estudo, estes dados são os primeiros resultados do ensaio de Fase 3 de uma vacina contra o coronavírus a serem publicados na literatura de revisão por pares. (foi publicado na Lancet)

A professora Sarah Gilbert, professora de vacinologia da Universidade de Oxford, disse: ‘Há muitos anos sabemos que as vacinas adenovirais com vetor atendem aos requisitos de uso contra surtos ou doenças pandêmicas. São seguros, altamente imunogênicos, podem ser fabricados em grandes quantidades a baixo custo e não requerem congelamento. Seguindo a demonstração da eficácia da vacina em muitos estudos pré-clínicos, agora temos evidências claras de eficácia nos resultados.

Os pesquisadores também investigaram, por meio de exames semanais feitos em voluntários no Reino Unido, o potencial da vacina para prevenir doenças assintomáticas. Esses dados indicam que a vacina de dose baixa (dose padrão) pode fornecer proteção contra a infecção assintomática, mas enfatizam que esses dados, com um nível de incerteza muito alto, estão ainda em uma fase de estudos iniciais. Estudos que possam garantir que esta vacina irá proteger contra uma infecção assintomática.

Uma análise adicional está em andamento nesses dados e será fornecida aos reguladores para permitir que eles decidam da melhor forma sobre os protocolos de dosagem.

Falando em dosagem, hoje, na BBC o Primeiro Ministro Boris Johnson e seus assessores de saúde, em transmissão ao vivo, informaram que:

• Fabricar vacinas para toda população é um grande desafio e que acredita que somente para o fim de março é que haverão vacinas suficientes para todo mundo. Mesmo assim, decidiram que a melhor estratégia, será primeiro, vacinar toda a população com a “primeira dose” e, só então, entrar com a vacinação da “segunda dose”. Disseram também que optaram por deixar o tempo entre a primeira dose e a segunda, “variável”. Mesmo assim, insistem que estão de olho na situação e se for necessário mudarão esta estratégia.

• Neste pronunciamento feito na BBC, também ficamos sabendo que existe uma grande falta no mercado, das matérias primas necessárias para fabricação de ampolas.

• Outra informação importante é que ainda não se pode dizer, mesmo tomando as duas doses da vacina, se as pessoas poderão sair na rua sem o uso de máscaras. Isto acontece porque não existem ainda informações suficientes para saber se uma pessoa imunizada pela vacina continuará ou não transmissora. Segundo o especialista médico, como o pessoal da saúde está sendo imunizado primeiro e são testados com frequência, em um mês ou dois eles ficarão sabendo mais sobre o grau de imunidade da vacina.

• Outra informação muito realista que recebemos foi a de que possivelmente talvez só lá pelo final de março haverá vacinas para todo mundo e que “talvez” já pela Páscoa estaremos voltando ao normal.

Enquanto isto, no Brasil, a estupidez, a ignorância e a máquina do Fakenews, correm solta. Ontem, até postaram dizendo que a população do Reino Unido já está sendo vacinada com a segunda dose! Só se for algum grupo de estudo e, mesmo que seja verdade, se estiver acontecendo, o número deve ser infinitamente pequeno porque até agora não conseguiram nem vacinar todas as pessoas com mais de 80 anos. Até agora a única vacina usada no Reino Unido é a da Pfizer e a quantidade recebida e muito pouca para a população da daqui.

Outra coisa ridícula que ví na Internet foi gente no Brasil se referindo à nova variante do Codiv-19 como sendo o “Vírus Inglês”. É patético!

Eu lhes pergunto, se um país de Primeiro Mundo, como o Reino Unido, vivendo no topo da tecnologia e com todo o poder financeiro à sua disposição está sofrendo tanto, o que vocês acham que acontecerá com o Brasil se continuar com o povo agindo assim, de forma tão irresponsável!

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *