A Movida Estudantil

A educação é transformadora?

Por Isaac Santos.

Nelson Mandela, proferiu uma frase que até hoje é muito marcante em minha vida “A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”. Entretanto, será que ela realmente é tão poderosa nos dias de hoje?

Entrando a fundo nas tendências filosóficas da educação, que nos ajudam a compreender suas formas de atuação dentro da sociedade, podemos entender como ela se concretiza na vida dos estudantes.

A tendência redentora, reprodutora e transformadora norteiam a educação e limitam suas ações mediante a proposta de cada uma. Se a proposta da educação reprodutora é de reproduzir e tornar o sistema vigente perpétuo, ela vai limitar a ação daqueles que buscam por uma educação transformadora, que compreende na educação, uma forma de libertar aqueles que mais são massacrados pelo sistema vigente. Ambos não se misturam e muito menos se dialogam.

Atualmente, o modelo de educação transformadora, como a tendência progressista libertadora de Paulo Freire, não é utilizado em nenhuma escola do país, somente na educação não formal. Até porque, sendo que a educação está dentro de um sistema de ensino enraizado no sistema capitalista, como utilizar o método libertador de Paulo Freire?

Qual é a definição de educação?

Tenho certeza que essa é um reflexivo todavia complicada, já fiz essa pergunta de bate-pronto para alguns amigos e nenhum conseguiu definir. Parafraseando Daniel Cara, arrisco em dizer que a educação é a apropriação de Cultura, de tudo aquilo que o ser humano criou e cria para além da natureza, as comunidades, as sociedades, os Estados, as línguas, os valores, os esportes, as religiões, a ciência e etc. Enfim, tudo aquilo que é criado pelo ser humano pode ser chamado de Cultura e essas culturas são expressões de anos e mais anos.

Para Paulo Freire, a apropriação da cultura deve ser plena, crítica e reflexiva, sendo parte fundamental da condição humana, essa reflexão que vai contribuir e ajudar na emancipação das mulheres e homens com base no exercício livre e autônomo da leitura do mundo, ou seja, a pessoa terá a instrumentalização necessária para construir, com liberdade, a sua própria história.

Outra frase importante de Mandela me ajuda a resumir essa idéia: a educação transforma o mundo quando pautada na realização do direito humano à educação.

Ou seja, temos uma educação liberal, em partes tecnicista, em partes tradicional e ambas contribuem para a marginalidade. A educação dentro da perspectiva neoliberal, reduz seu papel somente a um insumo econômico capitalista, moralista e não critico.

Portanto, se a educação é tratada absolutamente como um insumo econômico de mercado, onde ela se torna mercadoria, o direito a educação de qualidade realmente está sendo assegurado? Ou a educação atual, não passa de uma agressão simbólica?

Enquanto os liberais raiz buscam lucrar em cima da educação, os utrarreacionarios buscam pela educação doutrinar e destruir a constituição de 88. Com uma doutrina militar e de políticas como o escola sem partido, ou essa nova proposta de um canal de denuncia contra professores.

A educação é transformadora, mas é utilizada pela classe dominante como meio de resignação.

Isaac Santos é presidente do Diretório Acadêmico de Pedagogia da Unisanta.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *