Celso Barbieri Colunistas

Conheça as irmãs holandesas que foram condecoradas com medalhas e honrarias por seu serviços prestados na guerra contra os nazistas

Barbieri Textos Escolhidos: Um grupo de garotas adolescentes holandesas que seduziram e mataram nazistas. Uma história de coragem que merece um filme!

Na década de 1940, as irmãs Freddie e Truus Oversteegen usaram seu perfil despretensioso de adolescentes para emboscar e matar nazistas na Holanda. Escrito por Jake Rossen para o site GETPOCKET (Histórias de bolso dignas para abastecer sua mente).

Tradução e adaptação de A. C. Barbieri.

Quando as irmãs Freddie e Truus Oversteegen eram jovens, sua mãe as fazia dormir na mesma cama. Este não era um ato de união forçada entre irmãos: embora a família tivesse mais de um colchão, todos improvisados ​​e cheios de palha, eles compartilhavam seu modesto apartamento com os refugiados judeus que costumavam alojar.

As meninas não se importavam. Depois que seus pais se divorciaram, elas foram criadas principalmente por sua mãe, Trijntje. Então, nos anos anteriores à Segunda Guerra Mundial, juntamente com sua mãe, Freddie e Truus cresceram como comunistas, no que era então a vila de Schoten (agora parte de Haarlem) na Holanda do Norte. Trijntje ensinou às meninas a compaixão pelos menos afortunados do que elas. As irmãs fizeram bonecos para crianças afetadas pela Guerra Civil Espanhola. Eles cederam seu espaço de vida para pessoas que fugiam da Alemanha e Amsterdã. E quando os nazistas invadiram a Holanda em maio de 1940, Freddie e Truus distribuíram panfletos se opondo à ocupação e advertiram sobe os perigos dos pôsteres de propaganda nazista pedindo por trabalhadores na Alemanha.

Era um trabalho perigoso e subversivo. Quando os nazistas invadiram, Trijntje a mãe das meninas garantiu que os refugiados que hospedavam fossem mandados embora, temendo que fossem descobertos por causa das conhecidas tendências comunistas de sua família. Muitos foram posteriormente deportados e mortos. Isso acendeu o fogo de revolta em Freddie e Truus.

Quando o líder de um grupo de resistência holandês percebeu a tendência combativa da família, perguntou a Trijntje se ela permitiria que suas filhas passassem para um grupo de resistência. Freddie tinha 14 anos. Truus tinha 16. Sem saber explicitamente com o que estavam concordando, as três mulheres disseram que sim. E logo, as adolescentes estavam fazendo mais do que distribuir literatura. Eles estavam atraindo nazistas para a floresta e os assassinando.

Freddie e Truus foram, por um tempo, as únicas duas mulheres que participaram da rebelião de sete pessoas conhecida como o “Conselho de Resistência de Haarlem”. Em 1941, depois de serem recrutadas pelo comandante Frans Van der Wiel, as duas garotas aprenderam o básico sobre trabalhos de sabotagem, aprendendo truques como, usando dinamite, explodir ferrovias e pontes para interromper os caminhos; como disparar uma arma; e como se movimentar por uma área salpicada de soldados nazistas sem ser detectadas. A última habilidade era resultado de sua aparência. Com seu cabelo em tranças, Freddie parecia ter apenas 12 anos de idade.

Embora estivessem secretamente agindo como mensageiras, transportando papéis e armas para a resistência, poucos soldados notaram as duas garotas enquanto elas andavam de bicicleta pelo território ocupado. A dupla incendiou um depósito nazista sem ser detectada. Elas escoltaram crianças pequenas e refugiados para esconderijos e conseguiram documentação falsa para eles. Mesmo quando as bombas aliadas explodiram em cima, elas estavam participando de atos considerados de suma importância.

Mas a resistência tinha um outro trabalho para elas, um que Freddie mais tarde descreveu como um “mal necessário”. Porque provavelmente ninguém daria importância ao vê-las chegando, elas foram encarregadas para assassinar oficiais nazistas e seus colaboradores holandeses.

Algumas das atribuições de Freddie e Truus envolviam atuar como isca. Uma vez, enquanto Freddie permanecia como vigia, Truus entrou em um restaurante e puxou conversa com um oficial da SS de alto escalão. Enquanto flertava com ele, ela o convidou para dar um passeio na floresta. Uma vez que eles estavam isolados, Truus e seu companheiro esbarraram em um homem no mesmo caminho. Sem o conhecimento do oficial nazista, o homem era membro da resistência. Ele executou o oficial e enterrou-o em um buraco que havia sido cavado anteriormente.

Freddie e Truus logo passaram a eliminar seus próprios alvos, que Freddie mais tarde descreveria como “liquidações”. Às vezes, as meninas andavam de bicicleta, Truus pedalando enquanto, das suas costas, Freddie atirava. Eles também seguiram os oficiais até suas casas para emboscá-los. Embora considerassem o trabalho necessário, foi difícil para as meninas aceitarem. Às vezes, Freddie disse, ela atirava em um homem e então sentia uma estranha compulsão de tentar ajudá-lo.
A única missão na qual elas se recusaram a agir foi um complô para sequestrar os filhos do oficial nazista Arthur Seyss-Inquart, a ideia era que seus filhos pudessem ser trocados por radicais holandeses presos. Temendo que as crianças pudessem ser feridas no processo, Freddie e Truus se recusaram.

Em 1943, as meninas se juntaram a uma ex-estudante de direito de 22 anos chamada Jannetje Johanna “Hannie” Schaft. As três mulheres se tornaram inseparáveis, atuando como uma unidade fortemente coordenada para missões de sabotagem. Nos dois anos seguintes, eles continuaram a visar os oficiais e evitar a identificação, embora os nazistas conhecessem Jannetje por seu característico cabelo ruivo.
Foi justamente a cor de seu cabelo que a prejudicou. Em abril de 1945, poucas semanas antes do fim da guerra, Freddie e Truus ficaram preocupadas quando Jannetje não apresentou um relatório após uma missão. Elas ficaram horrorizadas ao descobrir que sua amiga havia sido agarrada em um posto de controle quando um policial reconheceu as raízes vermelhas de seu cabelo, que ela havia tingido de preto para justamente evitar ser detectada.

Jannetje foi executada no dia 17 de abril e dizem que ela provocou seu carrasco depois que ele falhou em matá-la em sua primeira tentativa. “Eu tiro melhor”, ela teria ironicamente dito para ele.
Lamentando a perda de Jannetje, Freddie e Truus tentaram entrar na vida civil após a guerra. Freddie se casou e teve filhos, o que ela mais tarde disse ser sua maneira de lidar com o trauma. Truus derramou suas emoções em obras de arte, esculpindo memoriais para Jannetje e escreveu um livro de memórias.

As irmãs mais tarde, em 1996, em homenagem à sua amiga executada, abriram a Fundação Nacional Hannie Schaft. Em 2014, o Primeiro Ministro Mark Rutte concedeu para estas duas mulheres a medalha “Cruz de Guerra de Mobilização” por seus serviços durante a guerra, um reconhecimento que, ele reconheceu, demorou muito para chegar. (Durante anos, Freddie se sentiu esquecida. Porque ela pertenceu a um grupo de jovens comunistas, ela acreditava que o governo holandês, anti-soviético, a punia) Truus morreu aos 92 anos em 2016. Freddie a seguiu em 2018.

Já as duas mulheres sempre se recusaram a discutir o assunto, não se sabe exatamente quantos nazistas as garotas mataram. Quando questionada, Freddie sempre respondia: “Não se deve perguntar nada disso a um soldado”.

Nota: A foto desta postagem mostra em 2014, Freddie Dekker-Oversteegen (à esquerda) e Truus Menger-Oversteegen (à direita) sendo premiadas pelo Primeiro Ministro holandês Mark Rutte com a medalha “Cruz de Guerra de Mobilização”.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *