Cidade Santos

Santos tem uma das maiores taxas de mortalidade por Covid-19

 

A taxa santista de mortalidade de Covid-19 por 100 mil habitantes coloca a cidade à frente de vários municípios, regiões, estados, países e também à frente da taxa nacional.

Em nosso município, segundo dados divulgados pela Prefeitura, o novo Coronavírus levou à óbito 229 até esta segunda-feira (15) – foram novas 7 mortes em 24 horas.

O número confere uma taxa de mortalidade de 53,2 por 100 mil habitantes. É mais que a cidade de São Paulo, considerada o epicentro da doença, cuja a taxa de mortalidade está em 47,8 por 100 mil habitantes.

Como pode ser conferido na tabela que ilustra este post, Santos também supera as proporções de mortes em relação às populações verificadas no Estado, no Brasil e também de outros países, como os Estados Unidos. Isso porque ainda há 18 mortes suspeitas que aguardam resultados de exames.

O aumento de casos confirmados também é expressivo. A Seção de Vigilância Epidemiológica (Seviep) divulgou, também nesta segunda (15), 139 notificações de covid-19 entre munícipes, passando o número de casos acumulados de 6.354 para 6.487 – alta de 2,1% nas últimas 24 horas.

Já a ocupação dos leitos de UTI para adulto está em 71%.

Enquanto a doença avança, a Câmara de Santos continua apoiando a abertura das atividades econômicas. Ao mesmo tempo, divulga em suas redes que o Castelinho não voltará a ter sessões presenciais nas próximas semanas. A Mesa Diretora resolveu prorrogar as regras de isolamento social no Legislativo até 30 de junho.

Enquanto escolas, universidades e demais instituições terão de repor os dias parados usando o recesso de julho, os vereadores terão seu descanso de meio de ano intocável, prolongando assim ainda mais a quarentena dos edis.

Nada de fiscalização dos gastos com hospitais de campanhas, com as OSs e fornecedores. A comissão decorativa para acompanhar o enfrentamento a pandemia continuará inoperante. Mas as lives para captar votos para reeleição certamente estarão a todo o vapor.

Paralelamente, servidores começaram a voltar ao batente nesta semana, sem o mesmo nível de rigor nos procedimentos de segurança para a reabertura e sem a garantia de EPIs em quantidade e qualidade suficiente.

Dois poderes, dois pesos e duas medidas. Em comum, a negação dos fatos, desconsideração à ciência e o descaso perante os riscos à vida da população trabalhadora.

Vereadores de Santos, para quem eles trabalham?

 

Fonte: Página Vereadores de Santos

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *