Cidade Peruíbe

Praia do Tanigwá, paraíso das aves limícolas, um resquício da Peruíbe que conheci há exatos 54 anos.

Por Mari Polachini.
Era o caminho habitual de quem vinha do planalto à cidade que acabava de nascer, cujos acessos eram tão precários e selvagens quanto ela.
Lembro do dia em que meu pai atolou o fusquinha nessas areias, o pavor que senti enquanto a maré subia feroz e inexoravelmente, até sermos rebocados heroicamente por uma kombi que passou por ali.
Hoje, após resistir ao desenvolvimento implacável da BS, sobreviver aos loteamentos que recortaram e traçaram o novo perfil dessa antiga vila de pescadores, esse trecho de praia adquiriu uma importância que transcede nossa cidade, que ultrapassa nossas fronteiras.
Como um dos últimos refúgios preservados da rota migratória das aves limícolas na BS, a Praia do Tanigwá é responsável pelo abrigo, alimentação e local para nidificação de pelo menos 17 espécies, algumas em risco de extinção, que são objeto de estudo de dois pesquisadores locais ligados à UNESP de Santos, os biólogos Karina Avila e Bruno Lima .
Infelizmente, apesar de hoje contarmos com acessos eficientes para chegar à cidade, muitos ainda insistem em utilizar essas areias, onde ainda encontramos uma fauna estupenda cuja vida se faz impossível nas praias antropizadas do nosso município, como via de trânsito de veículos.
Colocando em risco a vida de bichos e gente, trafegam por essas areias desrespeitosamente, sem necessidade alguma, utilizando como justificativa o fato de que “sempre passaram veículos por ali”.
É um pensamento raso e limitado, de quem têm dificuldade de acompanhar a dinâmica do desenvolvimento, a irredutibilidade da evolução, onde o mundo se transforma e se ressignifica.
Hoje, sabemos que a maior riqueza que temos é a natureza que nos circunda, matéria da manutenção do equilíbrio da vida planetária
Estamos em uma campanha acirrada em busca do cumprimento da legislação que proíbe o trânsito de veículos na faixa de areia em nosso município.
Estamos em luta pelo direito à vida dessas aves, que voam mais de 10.000 km para chegar até ali, onde descansam e recuperam energia para continuar sua trajetória migratória.
As aves limícolas migratórias são um patrimônio do planeta.
Vamos juntos protegê-las.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *