Cidade Santos

TRÁFICO DE MULHERES E MENINAS EM DEBATE NA REGIÃO

Por Cidinha Santos.
Painel aberto ao público acontece na noite de 14 de fevereiro,
no auditório do Câmara Municipal de Santos.

O tráfico humano é a terceira modalidade criminosa mais lucrativa do mundo, ultrapassada apenas pelo tráfico de armas e de drogas. O lucro anual chega a quase 32 bilhões de dólares, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Dentre as vítimas, 85% são mulheres, sendo a imensa maioria delas para fins de exploração sexual. A faixa etária predominante está entre 18 e 29 anos e adolescentes. Há registro de tráfico de crianças, sendo a maioria do sexo feminino. Também existe o tráfico de homossexuais e travestis jovens. Além da exploração sexual, estão entre as finalidades o trabalho análogo à escravidão, adoção ilegal de crianças e adolescentes – que inclui servidão doméstica – e venda de órgãos. A maioria das pessoas traficadas é pobre e com baixa escolaridade.
Esses são apenas alguns dados que comprovam a cruel realidade do tráfico humano, indo muito além do que é exibido na telinha da TV. E a região apresenta outros fatores de vulnerabilidade, os quais estarão em debate no Painel aberto ao público, intitulado Tráfico de Mulheres e Meninas: educação popular feminista para implementar políticas públicas, a ser realizado na noite de quinta-feira, 14 de fevereiro, das 19h30 às 22h, no auditório da Câmara Municipal de Santos (Praça Tenente Mauro Batista de Miranda, 1, Vila Nova, Santos), reunindo lideranças especializadas na temática e autoridades.
Uma oficina de educação popular feminista, fechada para 50 lideranças locais previamente indicadas que atuam em ONGs, órgãos públicos e universidades, com o mesmo título, será realizada durante todo o dia subsequente, 15/2, no salão de eventos do Cosmopolitan Praia Flat. Dentre os principais objetivos, estão: contribuir para o acúmulo de discussão sobre o tema dentro dos movimentos sociais e na sociedade em geral; refinar a ótica feminista; contribuir na luta pelo enfrentamento da violência contra a mulher que se materializa na violência doméstica e sexual, além do tráfico de mulheres; fortalecer a rede de serviços contra o tráfico humano, formada por atores governamentais, não governamentais e de universidades; interferir na implantação e implementação de políticas públicas de prevenção, repressão, responsabilização e atendimento às vítimas priorizando ações voltadas para os direitos humanos; aumentar a sensibilidade da mídia e da opinião pública sobre a gravidade dessas questões, como consequência das desigualdades de gênero.
As iniciativas são uma realização da Associação Mulheres pela Paz, presidida por Clara Charf, hoje com 92 anos, e dirigida por Vera Vieira, doutora em Comunicação e Feminismo pela USP/ECA. Contam com o apoio da Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres do Ministério dos Direitos Humanos, graças a uma emenda parlamentar da deputada federal Luiza Erundina. As imprescindíveis parcerias locais são: Fórum da Cidadania, Promotoras Legais Populares, Maria Vai com as Outras – Coletivo Feminista, Classista Baixada Santista, Hella, Ecosol Mulher, Fórum de Economia Solidária da Baixada Santista, Associação Franco Rotelli, Apostolatus Maris, Prefeitura de Santos – Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra e de Promoção da Igualdade Racial, Conselho Municipal de Saúde de Santos – Cidade Saudável.
Painel temático: Tráfico de Mulheres e Meninas: educação popular feminista para implementar políticas públicas (com a presença de lideranças especializadas na temática e autoridades).
Dia e horário: dia 14 de fevereiro, quinta-feira, das 19h30 às 22h
Local: Auditório da Câmara Municipal de Santos (Praça Tenente Mauro Batista de Miranda, 1, Vila Nova.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *